Organizando os trabalhos — Encho Indie Studio

Se você acompanha meu trabalho talvez já tenha percebido minha petulância em acreditar que eu seja capaz de contribuir para o desenvolvimento de jogos com conteúdo completamente inovador. Não somente isso, mas também a minha “visão” do que design de jogos deveria ser, já que não há consenso definitivo no mercado, na educação, ou sequer na comunidade. E, recentemente, foi lendo meu próprio material que percebi que nunca fiz um bom trabalho introdutório. Introdução essa seja a interessados em design de jogos que queiram aprender sobre a área ou desenvolvedores experientes curiosos sobre as minhas teorias pessoais. Continuo pretendendo fazer os dois, apenas vou separar melhor os assuntos.

Continuar lendo “Organizando os trabalhos — Encho Indie Studio”

Atualização – Antijogo e outros projetos

Publicado originalmente como atualização do nosso financiamento coletivo recorrente no Catarse. Clique aqui para ler.

 

Primeira atualização dessa campanha, e quero começar agradecendo quem está apoiando o projeto seja com grana, compartilhando nas redes sociais, ou falando com seus amigos e conhecidos sobre a ideia. Até agora se passaram quase três semanas desde que mudei do Apoia-se para cá, e estou bem satisfeito com os resultados, a audiência do Antijogo (nosso zine de críticas à indústria de jogos) e a contribuição de vocês.

Bom, a ideia inicial da campanha é financiar a produção mensal de cópias físicas do Antijogo para distribuir em eventos e instituições relacionadas de alguma forma com jogos, como escolas e faculdades. Infelizmente com a grana atual que a campanha acumula eu ainda não consigo fazer isso mensalmente. Para uma distribuição gratuita o ideal seria imprimir em uma tiragem razoável, ou seja, vou ter que acumular valores algum tempo até ter grana para imprimir a primeira leva. Eu acredito que assim que estiverem circulando isso deve atingir um público novo que eu não alcanço online, retornar mais visitas para cá, e consequentemente acabar encontrando mais interessados em apoiar o projeto e acelerar o processo. Eu já tenho algumas várias edições de Antijogo planejadas, mas eu realmente queria soltar a segunda apenas quando a primeira estiver sendo impressa. O ideal seria ir fazendo as edições e deixando tudo pronto, mas eu fico ansioso e frenético pra soltar a parada no mundo, então melhor deixar só no planejamento por hora enquanto foco em outros projetos.

Não sei se é algo que eu já tornei público, mas o pessoal que me acompanha a mais tempo deve saber que eu estou escrevendo um livro. Começou como uma ideia de registrar coisas que a comunidade de discussão indie regularmente cita, depois resolvi avançar para um livro de game design, que pulou para um manifesto em prol de jogos subversivos, e agora parece que vai ser uma obra mais “científica” sobre linguagem lúdica e a presença das dinâmicas de jogos na nossa cognição. Então basicamente, há quase um ano, meus dias se resumem a buscar novos materiais para ler e dedicar algumas horas a escrever (tentando avançar o livro). No Antijogo eu devo soltar algumas pílulas sobre o que estudei até agora, e também estou planejando alguns posts no blog. Minha meta atual é terminar até Setembro, usar os últimos meses do ano para revisar o livro, o que vai ser uma tarefa terrível sem grana para pagar algum profissional para me ajudar, e publicar no início do ano que vem.

 


 

Por fim essa atualização foi mais para informar que, por mais que a página pareça parada, ainda mais nesse início de campanha, as coisas estão caminhando e acontecendo. E no processo estou aprendendo bastante, teorizando melhor algumas coisas que já acreditava, encontrando referências mais rebuscadas, e me preparando para, mais pra frente, começar a criar umas produções maiores.

Vai ser ótimo poder contar com vocês durante essa jornada, e que bom saber que tenho gente acreditando já desde o começo, quando ainda tenho pouco pra mostrar.

Até a próxima atualização!

Não se esqueça de visitar nossa página no Catarse e conhecer mais sobre o projeto! Clique aqui para acessar!

Contos do Galeão – Conversando sobre um novo jogo

Inglaterra, 1666

Os missionários haviam avisado, aquele seria o ano do demônio. A praga e a fome matavam mais que as guerras entre ingleses, espanhóis, franceses e holandeses. A lua havia tapado o Sol novamente, escurecendo a Europa por instantes. Mau agouro. Nem mar ou terra eram lugar seguro para um cristão.

Um furacão chegou repentinamente na costa de Londres, e tão repentinamente o fogo do inferno começou a queimar carregado pelos ventos. Os navios ingleses acusavam: Foram os holandeses! Estão queimando nossos navios e agora vão queimar Londres! É o fim!

Demorou até o primeiro navio mercante ter coragem de deixar aquele porto novamente, se aventurar em águas cada vez mais perigosas rumo às Caraíbas… mas um pequeno grupo de cães do mar tinha um tesouro flutuante em mãos, lâminas e pólvora de sobra, e sede por liberdade e aventura.

Como é o jogo?

Contos do Galeão é um jogo narrativo de mesa que ainda está sendo produzido, e que estará à disposição gratuitamente aqui no blog dentro de algumas semanas. De 3 a 6 jogadores devem criar juntos a lenda de uma embarcação que teria existido durante a Era de Ouro da Pirataria. A história gira em torno do galeão, resistindo na mão de diversas tripulações diferentes, capitães cruéis e covardes, enfrentando marinhas nacionais, piratas notórios, e conquistando tesouros valiosos pelas ilhas das Caraíbas.

Os jogadores criarão o navio, seus piratas, e também seus inimigos, desafios, recompensas. Tudo. Toda a criação é coletiva. Mas ainda assim o jogo foi desenhado para ser extremamente simples. Para jogar não há necessidade de ler um extenso manual de regras. Todo o texto necessário está devidamente dividido entre as cartilhas de cada jogador, com suas regras específicas. Isso permite que Contos do Galeão possa ser jogado mesmo sem uma leitura prévia, aprendendo enquanto se joga, e inclusive por pessoas que nunca jogaram algo parecido.

Este jogo difere consideravelmente de um jogo de RPG convencional, mesmo ainda preservando algumas dinâmicas clássicas. Suas regras foram criadas para, assim como no Código Pirata, os jogadores possam regular a distribuição de poder no curso da história e até renegociar os acontecimentos em jogo. As regras atacam diretamente a figura clássica do Mestre, ou Narrador, dando a ele regras especiais que compartilham o comando da narrativa com os demais jogadores. Isso faz dele um jogador diferente, não um árbitro ou guia. Para novos jogadores, que nunca tiveram contato com outros tipos de jogos narrativos, Contos do Galeão é ideal: simples de jogar, rápido de se iniciar uma partida, e não requer qualquer conhecimento prévio de outros jogos e dinâmicas. Na verdade, desconhecimento de outros jogos pode até ser uma vantagem aqui, já que práticas comuns podem alterar a jogabilidade e percepção destas regras.

Mecânicas base

Muitas das mecânicas ainda precisam ser testadas e finalizadas, e esta é a única razão para eu ainda não ter conversado publicamente sobre elas. Porém posso descrever a intenção delas na dinâmica do jogo e o que esperar desta experiência. A ideia central é um jogo simples, fácil de se jogar, mas que possa prover uma experiência elaborada e contínua.

Nenhum jogador é individualmente responsável por criar contextos para a ficção do jogo. Boa parte das ações exigem rolamentos de dados, e estes tem, entre seus resultados possíveis, a potencial chance de dar nascimento a uma oportunidade, um novo problema, ou até um grande vilão. Tudo depende dos resultados rolados, claro, e da quantidade de recursos que o mestre conseguiu acumular. O Mestre nunca rola dados, porém ele pode gastar recursos para ampliar uma oportunidade ou problema, ou torná-lo mais relevante do que parecia. Uma manutenção de rotina nos canhões pode de repente revelar um dano massivo no casco do navio; um ataque a um alvo fácil pode dar início a uma caçada pelos sete mares.

O Mestre recebe a cartilha do Mestre, com todas as regras necessárias, e os demais jogadores receberão duas cartilhas aonde estarão todas as regras necessárias para se jogar:

  • uma cartilha de Origem, que determina a história passada e presente de seu personagem, e ensina as ações básicas dentro de jogo.
  • uma cartilha de Função, que determina um cargo no navio, suas ações específicas, e ganchos de história que nascem a partir de sua decisões.

Cada novo personagem precisa de uma nova cartilha de Origem, mas as de Função podem trocar de mão entre jogadores e inclusive o Mestre, caso algum personagem não jogador assuma tal posição.

As cartilhas também determinam como o jogador pode ganhar, perder, ou negociar dados, que ele usa para fazer as várias rolagens necessárias durante o jogo. O jogo usa apenas dados comuns de seis lados (D6). Os jogadores precisam determinar quantos dos dados em sua pilha irão apostar em cada rolagem. A soma resultante precisa ser maior do que os valores determinados na cartilha, que normalmente seguem a seguinte ordem:

  • 13+: A ação acontece, e uma nova oportunidade aparece.
  • 10-12: A ação acontece como o jogador estipulou.
  • 6-9: O jogador escolhe entre um sucesso comprometido, ou uma falha com consolação.
  • 5-: A ação não acontece, e dá início a um problema.
  • Todo dado que resultar em 1 não é somado ao resultado e vai diretamente para a pilha do Mestre.

A dinâmica esperada é que tanto Mestre quanto os demais jogadores disputem o controle dos dados em jogo afim de garantir sucessos em suas rolagens. Isso lhe garantirá destaque na história e maior parte dos eventos estarão relacionados ao seu personagem. A reputação dos piratas e seus cargos dão a eles opções de exigir dados de outros jogadores, o que pode gerar desafetos e motivar um motim pela liderança da embarcação.

Além das cartilhas com os jogadores, outras cartilhas ficam sobre a mesa. As mais importantes são a cartilha da embarcação, com suas regras para manutenção e controle de recursos, e a cartilha com o Código Pirata, a ser assinado pela tripulação em sua viagem inaugural, que determina as leis vigentes a bordo. Estas são as regras que estabelecem os limites tanto na ficção como do meta-jogo entre os jogadores, estabelecendo os parâmetros aonde eles poderão contestar as ações dos demais.

E cadê o jogo?

Atualmente estou terminando de escrever as cartilhas, o que deve acontecer até o meio da semana que vem. Daí farei uma ou duas sessões de playtest fechado, para saber se está tudo certo ou se algo precisa refinamento, e então pretendo fazer um playtest online aberto para mostrar as mecânicas finais.

O jogo foi pensado para ser um produto fácil de imprimir em casa, mas ainda assim existirão algumas cópias físicas que serão produzidas para bancar minha viagem a São Paulo para o Diversão Offline 2018. Quem tiver interesse pode continuar acompanhando pelo blog, nossa página no Facebook ou responder por aqui ou pelas redes sociais e eu certamente entrarei em contato quando o jogo estiver disponível. Espere um joguinho barato, simples, mas com um carinho especial que será depositado nessa versão.

Reformulação do canal de YouTube do Encho Indie Studio

Fala, galera! Provavelmente o leitor deste blog já conhece nosso canal no YouTube, mas se não for o seu caso agora é a hora. O Encho Indie Studio é um estúdio de jogos e, majoritariamente, pesquisa em entretenimento e novas mídias. Principalmente pesquisa, a partir de agora. Então espere que o conteúdo de jogos seja cada vez menor por aqui, apesar de usar teoria de jogos para justificar boa parte de nossos argumentos. Em 2017 repensei como deveria trabalhar e esse é um vídeo apresentando o plano, mais especificamente como esse canal no YouTube vai funcionar.

RESUMO TL;DR

Primeiro um resumo do assunto tratado neste post. O canal estava inviável, difícil de produzir e eu mesmo não sabia exatamente pra onde ir. Estou trabalhando agora na produção de um livro que vai ser o nosso manifesto, a linha guia sobre o que vamos tratar nesse canal e o propósito maior pra que eu e quem acompanha possivelmente siga no futuro. Vamos passar a fazer conteúdo abrangendo mais assuntos, porém com mais foco e propósito. Eu entendo os jogos como uma mídia muito potente, fundamental para criarmos um pensamento crítico interessante (clique para ler outro texto sobre o assunto). Estudar jogos e as motivações que nos levam a jogar significa estudar quaisquer sistemas de regras, e por isso, estudar jogos significa entender como nosso mundo funciona. O Encho Indie Studio agora trabalha com essa meta e é uma honra ter vocês acompanhando o trabalho.

COMO ESTAVA FUNCIONANDO

Basicamente os vídeos pararam porque fui incrementando a edição e o trabalho envolvido na produção de cada um e acabei aumentando o tempo necessário de edição. Não posso mais dedicar uma semana inteira de trabalho para desenvolver cada vídeo. Isso me tira o foco de outros trabalhos, seja desenvolvendo jogos ou, como agora, a produção do livro. Preciso diminuir esse tempo pra um dia por semana no máximo. Um dia em que na verdade esfriarei um pouco a minha cabeça do trabalho de pesquisa e criação.

Além disso eu não tenho gostado da forma como a interação com os seguidores tem acontecido. Cada pessoa interage apenas com o vídeo em que chegou ao canal e não assiste todo o conteúdo. São pouquíssimos os que vieram acompanhando cada lançamento. Então toda a justificativa pra se fazer vídeos curtos, pra fazer o conteúdo ficar acessível, na verdade não funcionou. Para a discussão caminhar eu realmente ainda preciso de mais tempo, e por mais que de uma forma seja menos acessível, por outra é mais profundo. Então posso por à prova minhas ideias e criar conteúdo para pesquisa, para gente que realmente pode ser beneficiado por um conteúdo mais elaborado.

O QUE O ENCHO INDIE STUDIO FAZ?

Há mais de um ano, talvez quase três anos, estou sem saber direito qual é o meu real trabalho. E daí sempre tive dificuldade para me organizar. Em teoria os jogos que produzo devem ser o exemplo das teorias que defendo, mas na verdade minha função é preferida é como pesquisador. Eu só não tinha um plano pra coordenar direito pesquisa e desenvolvimento. Quando inventei esse lance de “Encho Indie Studio” o plano era justamente tirar o foco do desenvolvimento e colocar a pesquisa como um produto, mas isso não aconteceu de forma definitiva. Ainda assim comecei a dedicar cada vez mais tempo para os estudos e hoje já tenho ideias bem únicas, suficiente pra serem reunidas em um livro ou algo assim.

Então decidi isso. Comecei a escrever um livro que não é sobre game design, mas sim uma reunião de ideias, do meu trabalho e da comunidade. A partir daí chegaram as novas soluções que venho apresentar agora.

O Encho Indie Studio continua sendo um estúdio de desenvolvimento, não só de jogos mas principalmente de conteúdo didático. E quem sabe outras mídias, como vídeo, texto, áudio, etc. Não só a mídia lúdica. O livro vai sair, e eu vou falar mais sobre ele em breve, em outro vídeo, mas adianto que será o manifesto geral do trabalho do estúdio e, quem sabe, de uma nova comunidade de jogadores e desenvolvedores. O trabalho mesmo vai acontecer nas mídias sociais, engajando pessoas e discutindo teorias, majoritariamente através dos vídeos no YouTube.

QUE TIPO DE CONTEÚDO SERÁ PRODUZIDO?

A grande questão é que enquanto o livro não fica pronto o estúdio precisa trabalhar, produzir. E não é o que tem acontecido. Isso não só é péssimo pra mim como pro canal no YouTube, já que o ranqueamento dele na plataforma depende de uma frequência de conteúdo. Inclusive esta foi justamente a razão de começar a subir os vídeos de gameplay. Gerar movimento no canal. Então vamos falar mais sobre o que estou planejando.

São dois focos principais. Um é convidar a galera a perceber uns vacilos que a gente, tanto a comunidade consumidora como a indústria de entretenimento, comete o tempo inteiro. Coisas que mais atrasam do que avançam nossa cultura. Não sabemos consumir, não sabemos debater, mas somos arrogantes o suficiente pra determinar como deve ser feito. Então quero criar um pensamento crítico a respeito do que é produzido hoje, e espero conseguir tirar mais gente do status quo, criticar melhor o que é consumido.

O outro ponto é uma proposta de criação de uma nova cultura de consumo. Que entende o funcionamento da indústria, que se envolve com os agentes do mercado, que produz conteúdo sensacional. A tecnologia mudou completamente a forma como a gente consume e discute tudo, mas a gente ainda se baseia em fundamentos da comunicação tradicional. Não podemos fazer isso mais. Precisamos discutir conhecimento, e precisamos fazer isso fora dos limites da academia, utilizando as novas mídias pra democratizar a discussão. O lance não é “gente chata” contra “gente descolada”. É gente confortável na própria ignorância contra gente ligada no que acontece consigo próprio e consciente do poder que tem em mãos. Espero que não só a gente consiga fazer um manifesto forte mas que ele consiga sangrar pra fora da comunidade de game design.

COMO OS VÍDEOS SERÃO FEITOS?

Então enquanto o tal livro não sai, quero fazer alguns vídeos para começar a testar logo algumas das teorias que lá estarão. E nisso também entra testar as mídias que tenho à minha disposição para divulgar o trabalho.

Passarei a fazer vídeos mais longos, sem edição muito elaborada, e vou preparar uma versão só com o texto resumido para circulação no Facebook. Quem quiser acompanhar todos os argumentos e aprofundar o assunto poderá ler o conteúdo em texto, como este, ou assistir o vídeo longo. Por incrível que pareça para mim é mais fácil desenvolver conteúdo assim, apesar de que terei que criar uma rotina de pelo menos uma vez por semana dedicar um dia inteiro para produzir o vídeo.

Além disso os vídeos de gameplay vão continuar, mas o propósito deles serão um pouco diferentes. Eles terão o mesmo propósito daqueles vídeos Game Design Quickie, em que eu mostrava uma característica específica de um jogo que era muito interessante. Então os vídeos de gameplay serão um pouco mais didáticos, ainda que eu esteja me divertindo e falando bobagem além do conteúdo. Também quero começar a dar dicas ou criticar jogos específicos, que é coisa que não fazia antes. Eu entendia como acabar me tornando um site de críticas ou de alguma forma ficar vendendo publicidade para empresas. Isso é algo que não vai acontecer, mas acho que usar a mídia que já está publicada facilita evidenciar o conteúdo tratado nos vídeos didáticos e atrair novo público ao canal. Então começaremos a ver vídeos nessa linha, falando de outros jogos, filmes, notícias da indústria, sei lá. Não haverá uma regra muito definida de qual conteúdo pode ou não ser escolhido.

Os vídeos editados podem acontecer, mas será raro. Acho que o mais comum será pegar o conteúdo de algum vídeo já publicado e resumir, atualizar ou corrigir. Da mesma forma os vídeos antigos não serão removidos do canal, mas vários ficarão até anacrônicos e opostos a muita coisa que será publicada. Por mim não importa existir estes paradoxos. Só espero que quem veja saiba que é um conteúdo antigo e defasado.

E acho que é isso. Em breve começo a soltar mais conteúdo, tentando manter a frequência, mas o foco hoje em minha vida é a produção do nosso manifesto. O livro que vai reunir o conteúdo que a gente estuda e pretende acompanhar no futuro. Até lá a produção de material para o canal segue secundário.

Enquanto isso siga nossas redes sociais:
https://www.facebook.com/EnchoIndieStudio
https://www.youtube.com/ViniciusEnchoChagas
https://apoia.se/enchoindiestudio